NO AR

Voz do Brasil

Com: ..
Horário: 19:00 - 20:00
TOP MÚSICA
  • 1
    SIMONE E SIMARIA

    SIMONE E SIMARIA

    LOKA
  • 2
    HENRIQUE E JULIANO

    HENRIQUE E JULIANO

    VIDINHA DE BALADA
  • 3
    MAIARA E MARAISA

    MAIARA E MARAISA

    SORTE QUE CÊ BEIJA BEM
  • 4
    EDUARDO COSTA

    EDUARDO COSTA

    FORRÓ E PAIXÃO
  • 5
    MARILIA MENDONÇA

    MARILIA MENDONÇA

    EU SEI DE COR
PEÇA SEU SOM
Nome:

Email:

Cidade / UF:

Pedido:

Por medida de segurança, digite os 5 dígitos
do código exibido abaixo

x3757
 

Notícias » Música

03 de Dezembro de 2012
Madonna abre turnê no Brasil com público reduzido e música dedicada a periguetes
...
Clique para ampliar

A diva pop Madonna inaugurou sua terceira passagem pelo Brasil – as outras foram em 1993 e 2008 – na noite deste domingo (2), no Parque dos Atletas, no Rio, em show que reuniu, de acordo com números da produção, 67 mil pessoas. Em uma comparação inevitável, o público supera bem as 28 mil pessoas que pagaram para assistir à apresentação de Lady Gaga, no mesmo local, três semanas antes.

Diante de vendas antecipadas apenas razoáveis, às vésperas do show, a produtora responsável por trazer a turnê "MDNA" (do álbum homônimo, lançado em 2012) ao Brasil reduziu os preços dos ingressos de pista de R$ 360 para R$ 200. A estratégia funcionou e, se os 90 mil ingressos colocados à venda não esgotaram, pelo menos a cantora se apresentou para uma arena bastante cheia.

Desde cedo, nas longas filas de acesso ao Parque dos Atletas, era possível ver uma audiência que parecia acompanhar a artista há mais tempo, formada em  grande parte por trintões e quarentões comportados – apenas uma ou outra fã temporã arriscou um look inspirado em algum figurino da cantora. O público gay, fiel seguidor da cantora, também compareceu em massa ao show, como acontece em qualquer cidade por onde ela passa.

O show, previsto para as 20h, só começou mesmo às 23h. A espera, no entanto, valeu a pena. "MDNA" é um espetáculo muito mais próximo de ser classificado como um musical da Broadway super dimensionado do que como um show de música pop. Tudo é mega. A abertura leva ao palco dançarinos cantores vestidos de monge, um incensário gigante e uma espécie de confessionário, de onde Madonna saiu para subjugar seus fieis.

O primeiro “ato” do show, aberto com “Girl Gone Wild”, mescla de forma herética erotismo, violência e religião. Sem culpa, ao melhor estilo Madonna, no palco estão elementos como máscaras, armas de fogo, sugestões de sangue no telão e cruzes, coexistindo harmonicamente. Com uma roupa preta colada ao corpo, a cantora abusa da sensualidade o tempo inteiro e, literalmente, domina o palco, a cena e o público. Tudo é milimetricamente integrado e ensaiado, das coreografias ao cenário, passando pela iluminação e pelo roteiro do show, em uma aula de ousadia, profissionalismo e competência – que inclui, por exemplo, efeitos como músicos tocando pendurados no teto, entre outros.

A produção é tão grande que a música, a propósito, acaba ficando em segundo plano. Madonna às vezes canta, em outras se rende ao playback. E em duas ou três músicas arranha uma guitarra, mas nada que impressione. Antes de atacar “Turn Up the Radio”, a artista arriscou em português, para o público: “Está prontos?” (sic). E emendou, em inglês: “Vocês se lembram do que nós combinamos durante a passagem de som?”, em referência ao fato da passagem de som ter sido feita já com os portões abertos.

Em “Open Your Heart”, surgiram na plateia os indefectíveis balões vermelhos em forma de coração. Em seguida, Madonna não aguentou e reclamou do calor, misturando inglês, português e espanhol: “It’s hot! Muito, muito caliente. I love the baloons! I love to be in Rio and I love Brazil. Thank you very much, motherfuckers!”, gritou, para delírio do público.

Antes de “Human Nature”, parte de plateia gritou “Periguete”. Ao que Madonna respondeu: “Eu sou periguete? Quero dedicar a próxima música a todas as periguetes do mundo. Uma periguete inspira outras periguetes”, brincou, arrancando gargalhadas. A piada se consubstanciou na música seguinte, “Like a Virgin”, quando, depois de Madonna tirar parte da roupa, foi possível ler uma grande tatuagem nas costas da artista com o singelo adjetivo: “Periguete”, para mais risos gerais.

O grand finale veio com “Like a Prayer”, música mais cantada pelos fãs, e “Celebration”, sem direito a bis. Nem precisava. Foi um showzão para fã nenhum botar defeito. Para a publicitária Marisa Lopes, de 42 anos, que acompanha Madonna desde os anos 80, o show surpreendeu. “Eu sou fã dela de carteirinha. Fui aos outros shows que ela fez no Brasil em anos anteriores, mas essa turnê superou todas as expectativas. O espetáculo impressiona”, derrete-se.

Fã há menos tempo da diva pop, o universitário Maurício Costa e Silva, de 23 anos, realizou um sonho antigo. “A Madonna é uma das minhas cantoras favoritas. Não pude ir aos outros shows que ela fez no Brasil e não poderia morrer sem assistir a uma apresentação dela. Estou realizado!”, exagerou.
Do Rio, a cantora segue para São Paulo, onde se apresenta no Estádio do Morumbi, nos dias 4 e 5, e fecha a passagem pelo Brasil no Estádio Olímpico, em Porto Alegre, no dia 9.


+ NOTÍCIAS


Copyright © 2018 - Radio Cidade Jandaia LTDA